Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quinta, 21 Setembro 2017

Plano de Enfrentamento das Hepatites na região norte do Brasil é debatido em audiência pública na Câmara dos Deputados

Avalie este item
(0 votos)

O objetivo é ampliar o acesso à prevenção, diagnóstico e tratamento das hepatites virais nos estados do AM, AC e PA, envolvendo as três esferas de governo.

A audiência pública, realizada na Câmara dos Deputados Federais, nesta terça-feira (19), teve como finalidade apresentar o Plano de Enfrentamento das Hepatites Virais na Região Norte do Brasil, cujo objetivo é ampliar o acesso a prevenção, diagnóstico e tratamento das hepatites virais nos estados do AM, AC e PA, envolvendo as três esferas de governo com enfoque na hepatite delta. O evento foi aberto pelo Presidente da Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia, deputado federal Valadares Filho. O plano, coordenado pelo Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), foi apresentado pela diretora Adele Schwartz Benzaken.

O plano de enfrentamento das hepatites virais na região norte do Brasil, com enfoque na hepatite delta, encontra-se em sua primeira fase, com período de atuação entre 2017 a 2019, vai começar pelos estados do Amazonas, Acre e Pará. Estes estados foram selecionados em razão de perfil epidemiológico, populações específicas de difícil acesso, dificuldades de acesso aos serviços de saúde. Estão incluídos seis municípios nesta primeira fase: Barcarena e Santarém (PA), Tabatinga, Benjamin Constant e Atalaia do Norte (AM), e Sena Madureira (AC).

A estratégia do plano é mapear a oferta de serviços de saúde para prevenção, diagnóstico e tratamento; identificar o itinerário terapêutico para ações efetivas; e incrementar ações para a vigilância epidemiológica das hepatites B, C e D; incentivar a ampliação da cobertura vacinal e estimular ações para reduzir a transmissão vertical da hepatite B.

Em sua apresentação, Adele mostrou a evolução dos principais avanços da política de enfrentamento das hepatites virais no país, desde 2002 até o presente. Pontuou a criação do Programa Nacional de Hepatites Virais, mobilização social, acesso ao diagnóstico e campanhas de utilidade pública. Destacou todo o empenho do departamento para ampliar o acesso e a integralidade da atenção às hepatites virais, com a oferta do teste rápido para auxiliar no diagnóstico; e as inovações terapêuticas com alto índice de cura (95%) dos 58 mil tratamentos ofertados desde 2015 até julho de 2017.

A diretora do DIAHV ressaltou as atualizações dos Protocolos Clínicos de Diretrizes Terapêuticas de Hepatite B e C e Coinfecções, a partir de 2010 até 2017. Em seguida, mostrou o cenário nacional das hepatites virais no Brasil, as estratégias de ações implementadas e os resultados alcançados.

Ao concluir a apresentação, Adele Benzaken destacou que para atingir as metas globais e nacionais é preciso tratar todos os infectados da Hepatite C, atuar fortemente em todos os grupos, principalmente os mais vulneráveis, ampliar o acesso, o diagnóstico e o tratamento. E, também, trabalhar em parceria com as sociedades civil e médica e com a indústria farmacêutica.

Os deputados presentes comentaram a implementação dessas ações de enfrentamento das hepatites virais.  O deputado e médico Jorge Silva (PHS-ES) destacou: “Esperamos que a região norte implemente as ações necessárias de enfrentamento das hepatites virais. A proposta de diminuir o intervalo do esquema terapêutico da vacina de hepatite B é muito importante e eficaz, como mencionado pela Dra. Adele Benzaken, em sua apresentação”.

A deputada e vice-presidente da Comissão de Seguridade Social e Família, Conceição Sampaio (PP-AM) completou: “Em nosso estado, o Amazonas, as nossas estradas são os nossos rios. Portanto, é importante levar para nossa região um plano como este, visando enfrentar as hepatites com a participação de todos. E devemos lutar para que essa campanha de vacinação da hepatite B continue permanente”.

O Deputado Marcos Reatégui (PSD-AP) comentou: “A participação da sociedade civil é fundamental nesta luta, muitas coisas importantes foram conquistadas somente a partir da luta da sociedade civil, principalmente nas questões de cobertura vacinal, saneamento básico e acesso à informação. Só assim conseguiremos trilhar o caminho da extinção das hepatites virais”.

Sidney Raimundo Silva Chalub, médico da Fundação Hospital Adriano Jorge, Manaus (AM) ressaltou: “Temos de enfrentar a questão das hepatites de forma coletiva, na elaboração de ações a serem implementadas, e realizar o sonho Amazônico de cura desses agravos”.

Ao final, Adele Benzaken respondeu a várias perguntas que chegaram por meio do sistema E-democracia, de pessoas que acompanharam a transmissão ao vivo pela internet.

A audiência pública foi realizada em conjunto com a Comissão de Seguridade Social e Família (CSSF) e pela Comissão de Integração Nacional, Desenvolvimento Regional e da Amazônia.

Clique aqui e confira a íntegra da apresentação da Diretora do DIAHV Adele Benzaken.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/plano-de-enfrentamento-das-hepatites-na-regiao-norte-do-brasil-e-debatido-em-audiencia