Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 29 Novembro 2017

Pesquisador Jean Michel Molina fala sobre a PrEP na França e no Brasil

Avalie este item
(0 votos)

O pesquisador e professor francês concedeu entrevista durante o 24º Seminário Brasil-França

Jean Michel Molina é pesquisador e professor de Doenças Infecciosas da Universidade de Paris e Chefe do Departamento de Doenças Infecciosas do Hospital Saint-Louis, da França, e concedeu entrevista ao Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (SVS-MS) sobre a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP), durante a realização do 24º Seminário Brasil-França, ocorrido no Rio de Janeiro nos dias 13 e 14 de novembro.

Molina é o responsável por uma das principais pesquisas de PrEP no mundo, o estudo “Ipergay”, realizado na França e no Canadá, que avaliou a eficácia e efetividade da chamada PrEP “sob demanda”, ou seja, quando o usuário toma o medicamento de acordo com os eventos sexuais e não de forma contínua.

A PrEP consiste no uso preventivo dos medicamentos tenofovir e entricitabina, combinados num único comprimido. A nova medicação antirretroviral só pode ser usada por pessoa que não seja portadora do vírus HIV. É um comprimido de uso diário.

DIAHV - Sobre a PrEP, o senhor já tem resultados sobre os quais possa falar a respeito?

Jean Michel Molina- Implementamos a PrEP na França em janeiro de 2016, ou seja, há quase dois anos, e eu diria que, como primeiros resultados, estamos observando muito poucas novas infecções pelo HIV entre as pessoas em uso de PrEP. Portanto, a eficácia da PrEP na vida real foi comprovada e os resultados dos estudos triangulares foram novamente confirmados na implementação da PrEP na França. Assim, a PrEP em larga escala é muito efetiva, e esperamos agora que essa implementação conduza a um declínio nas novas infecções. É o que prevemos para os próximos anos com essa profilaxia.

Como vê a implementação da PrEP no Brasil?

É muito bom ver que o Brasil, um dos primeiros países do mundo a iniciar ensaios clínicos em PrEP, com o estudo iPrEx, está adotando a implementação da PrEP em larga escala em um país tão grande. Nesse sentido, é importante direcionar a PrEP para os indivíduos em alto risco. Por isso, penso que o desafio é informar as pessoas em risco de que a PrEP está disponível no Brasil, para que elas possam pedir ao médico para iniciar essa profilaxia. Creio também que outro desafio será capacitar e promover o conhecimento sobre a PrEP entre os médicos que irão monitorar as pessoas em PrEP. Assim, é importante, em primeiro lugar, dizer às pessoas em risco que o Brasil lançou um programa nacional de PrEP e, em segundo lugar, pedir aos médicos e profissionais de saúde que se atualizem sobre a PrEP, de modo que a conheçam e que sejam capazes de responder às questões de seus pacientes sobre a profilaxia.

Como é a aceitação da PrEP na França?

A PrEP é uma nova ferramenta para a prevenção do HIV. É muito recente. Por isso, primeiramente as pessoas têm de conhecê-la e se acostumar com o uso da PrEP. O que posso dizer é que, entre as pessoas que iniciaram a profilaxia, a grande maioria, após quase dois anos, permanece em PrEP – mais de 85% – o que significa que se sentem bem com a PrEP, podem viver com ela e podem usá-la como uma nova ferramenta para a prevenção do HIV. Portanto, as pessoas estão muito satisfeitas com a PrEP e com o que ela proporciona. Os programas de PrEP não apenas previnem a infecção pelo HIV, mas também são um incentivo para que as pessoas se testem regularmente para o HIV e para as outras infeções sexualmente transmissíveis, que recebam cuidado em relação ao chemsex, etc., ou seja: a PrEP representa uma oferta de cuidado sexual abrangente.

O que o senhor acha da Prevenção Combinada no Brasil e do fato de que a PrEP foi o último item a ser incluído nela?

Penso que a epidemia do HIV não está controlada em nenhum lugar no mundo, e tampouco no Brasil. Vocês fizeram um excelente trabalho ao introduzir novos medicamentos para as pessoas já infectadas, o que deverá resultar em uma redução da aids nos próximos anos, mas ainda se observam muitas infecções novas. Portanto, o objetivo da PrEP é reduzir novas infecções em nível nacional. E como podemos melhorar a prevenção entre as pessoas em risco? A camisinha é uma ótima ferramenta para prevenir a infecção pelo HIV, mas sabemos que nem todo mundo usa camisinha todo o tempo. Então, para essas pessoas em maior risco, a PrEP vem se somar ao uso do preservativo. Por isso, o importante para as pessoas em risco é usar a camisinha, ou a PrEP, ou ambas.

------- // -------

PrEP no Brasil

No Brasil, onze estados estão incluídos nesta primeira fase da implementação da PrEP no SUS, que terá início em dezembro nos seguintes estados: Amazonas, Bahia, Ceará, Distrito Federal, Minais Gerais, Pernambuco, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul, Santa Catarina e São Paulo. A oferta desta profilaxia estará disponível em trinta e cinco postos de serviços do SUS nesses estados.

A implementação da Profilaxia Pré-exposição de risco ao HIV (PrEP) no SUS vai ocorrer de forma gradual, focando as populações com risco substancial à infecção pelo HIV. Em 2018, no primeiro semestre, será ampliado para outros dezesseis estados: Acre, Alagoas, Amapá, Espírito Santo, Goiás, Maranhão, Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Pará, Paraíba, Piauí, Rio Grande do Norte, Rondônia, Roraima, Sergipe, Tocantins. A meta para 2018 é ter pelo menos um serviço de referência em cada estado ao longo do primeiro semestre. No primeiro ano de implementação da PrEP serão oferecidas 7 mil profilaxias.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/pesquisador-jean-michel-molina-fala-sobre-prep-na-franca-e-no-brasil