Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Terça, 20 Fevereiro 2018

Jovens do Centro-Oeste participam de oficina de prevenção combinada

Avalie este item
(0 votos)

Ao final do encontro, foi construída a agenda de intervenção local para ações de prevenção combinada

Cerca de 60 representantes da sociedade civil e de movimentos sociais do Distrito Federal, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul e Goiás participaram, entre os dias 7 e 9 de fevereiro, em Brasília, da Oficina de Prevenção Combinada com Jovens - Região Centro-Oeste. Durante os três dias foram realizadas atividades ligadas à juventude, prevenção, sexualidade, discriminação, preconceito e estigma. Os jovens também debateram quais as formas de atuação em suas respectivas regiões e construíram agenda de intervenção local para ações de Prevenção Combinada em HIV/Aids. O evento, promovido pelo Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), foi o último dos sete encontros realizados nas cinco regiões brasileiras, desde 2017.

“O jovem pertence à parcela da população em que a epidemia deu uma guinada desde 2010, principalmente entre os homens que fazem sexo com homens”, destacou a diretora do DIAHV, Adele Benzaken. “Temos que provocar a reação dos jovens para se cuidar e que este público se aproprie da Prevenção Combinada. O jovem precisa ser o foco de resistência ao HIV/Aids. Por isso, é importante que os que participaram dessa oficina se engajem para que multipliquem o que aprenderam aqui. O Brasil ainda é um país de jovens e o jovem precisa se cuidar”.

Em uma das atividades realizadas na oficina, os participantes foram divididos em cinco grupos e apresentaram suas propostas de itens para a mandala de prevenção. Dentre os assuntos propostos estão a conscientização, informação, acolhimento, quebra de tabu, direitos garantidos, igualdade, redução de danos, educação sexual nas escolas e humanização dos profissionais de saúde e das pessoas.

“Esperamos que os participantes saiam do evento sem dúvidas, mas caso precisem de apoio podem procurar pela Unesco, que tem material para a continuidade dos trabalhos nas suas regiões de atuação”, disse a representante da Unesco, Mariana Braga. “Os jovens têm atendido aos chamados, participando de cursos. Vocês são o presente da resposta ao HIV/Aids”, afirmou Georgiana Braga-Orillard, do Unaids Brasil.

Para Baby Brasil, do Instituto Amizade de Direitos Humanos, Cidadania e Sustentabilidade, que atua em Goiás e no Distrito Federal, as maiores dificuldades para os jovens está no restrito acesso à educação e saúde. “Pretendemos dialogar com a gestão pública, propor que os serviços essenciais ao jovem sejam melhorados e que os recursos sejam aplicados de forma responsável”, afirmou. “Nas regiões em que atuamos prevalece o tabu, a falta de informação, as pessoas são diagnosticadas mas não sabem acessar os meios para se obter os testes e o tratamento. Vamos buscar novas lideranças e trazer os jovens para a luta”.

Segundo Lucas Bianchi, do Instituto Águia Morena, de Campo Grande (MS), o evento vem ao encontro da possibilidade de potencializar e instrumentalizar os jovens que querem atuar com àqueles que adoecem com HIV/Aids. “Com a oficina, podemos evoluir nas nossas ações e levar os conhecimentos adquiridos para nossa realidade”, disse. “Queremos levar o que aprendemos aqui, usar o linguajar deles, para entenderem mais as questões da prevenção às doenças. Jovens para jovens, não é coisa técnica que os confunda”, afirmou outra integrante da Águia Morena, Mickaela Arinos Martinez.

Dados– De acordo com o Boletim Epidemiológico HIV/Aids 2016, a taxa de detecção quase triplicou entre os homens de 15 a 19 anos, passando de 2,4 casos por 100 mil habitantes, em 2006, e para 6,7 casos em 2016. Entre os com idade entre 20 e 24 anos, a taxa de detecção passou de 16 casos por 100 mil habitantes, em 2006, para 33,9 casos em 2016. Já nas mulheres, houve aumento da doença entre 15 a 19 anos – passou de 3,6 casos para 4,1.

Quanto à forma de transmissão, o agravo cresce entre homens que fazem sexo com homens, mudando o perfil, nos últimos 10 anos, quando a proporção maior de casos era de transmissão heterossexual. Na comparação com 2006, observa-se aumento de 33% nos casos de transmissão de homens que fazem sexo com homens.

Prevenção Combinada– Na resposta brasileira à epidemia de HIV/aids, as estratégias de prevenção sempre resultaram de uma atuação conjunta entre o governo brasileiro, os profissionais e trabalhadores da saúde envolvidos e a sociedade civil. Nos últimos anos, essas estratégias foram reestruturadas, levando ao conceito de “prevenção combinada” – um conjunto de estratégias de prevenção que inclui a testagem regular para o HIV; a Profilaxia Pré-Exposição ao HIV (PrEP); a Profilaxia Pós-Exposição ao HIV (PEP); a testagem durante o pré-natal e o tratamento da gestante que vive com o vírus; a redução de danos entre pessoas que usam silicone industrial, hormônios álcool e outras drogas; a testagem e o tratamento de outras infecções sexualmente transmissíveis (IST) e das hepatites virais; o uso de preservativo masculino e feminino; as imunizações; e o tratamento antirretroviral para todas as pessoas infectadas com HIV.

Hoje, a chamada “prevenção combinada” é o grande mote da resposta brasileira ao HIV/aids, em consonância com outros países que são vanguarda no enfrentamento global ao agravo.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/jovens-do-centro-oeste-participam-de-oficina-de-prevencao-combinada