Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 04 Abril 2018 14:18

Pessoas que vivem com HIV têm 28 vezes mais chances de contrair tuberculose

Avalie este item
(0 votos)

Dia Mundial de Combate à Tuberculose: DIAHV alerta para importância do diagnóstico e tratamento da coinfecção com o HIV

O dia 24 de março é o Dia Mundial de Combate à Tuberculose. A data foi criada pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para chamar a atenção sobre a importância do diagnóstico e do tratamento da tuberculose (TB). A data serve também para alertar sobre os riscos da TB associada a outros agravos, como a infecção pelo HIV.

A tuberculose é a doença infecciosa mais frequente nas pessoas vivendo com HIV e tem grande impacto na qualidade de vida e na mortalidade dessa população. Uma pessoa vivendo com HIV tem 28 vezes mais chances de contrair tuberculose do que uma pessoa que não tem HIV. No Brasil, a proporção da coinfecção TB-HIV é de 9,4%, ou seja, dos 69 mil novos casos de tuberculose registrados em 2016, 6,5 mil também apresentaram resultado positivo para o HIV.

A coinfecção TB-HIV é a principal causa de morte em pacientes com aids. Em 2015, 22% das pessoas diagnosticadas com a coinfecção foram a óbito. Por isso, o Ministério da Saúde recomenda que, em todas as oportunidades de atendimento às pessoas vivendo com HIV, seja feita a investigação para tuberculose. Da mesma forma, todas as pessoas diagnosticadas com tuberculose devem ser testadas para o HIV.

“Embora essa seja uma recomendação antiga, que reforçamos sempre em nossas reuniões e capacitações com profissionais de saúde, e também com a ampliação da oferta de testes rápidos no SUS, ainda temos um percentual importante de pessoas com tuberculose que desconhecem sua condição sorológica para o HIV”, destaca a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde, Adele Benzaken.

Dados do Boletim Epidemiológico de Coinfecção TB-HIV de 2017 revelam que, do total de casos novos de TB notificados em 2016, 76,3% realizaram testagem para HIV, ou seja, 23,7% das pessoas com tuberculose no país ainda têm seu status sorológico para HIV desconhecido.

Além dos profissionais de saúde, as pessoas que vivem com o HIV também precisam ficar atentas aos sinais e sintomas da tuberculose – tosse, febre persistente, suor noturno e emagrecimento – e informar o profissional de saúde quando eles surgirem. A tuberculose tem cura e o tratamento é oferecido gratuitamente pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

TRATAMENTO– A diretora do DIAHV destaca, ainda, a importância de iniciar logo o tratamento. “O tratamento antirretroviral tem um impacto significativo na sobrevida das pessoas diagnosticadas com tuberculose e coinfectadas com HIV, reduzindo, com isso, o número de mortes”.

Ela lembra também que o tratamento de ambas as infecções é a chave para a redução da mortalidade pela coinfecção TB-HIV e deve ser realizado o mais breve possível, de acordo com as orientações dos Protocolos Clínicos e Diretrizes Terapêuticas do Ministério da Saúde.  

Outra recomendação é a prevenção da infecção por tuberculose latente (ILTB) em pessoas vivendo com HIV. A tuberculose é latente quando a pessoa teve contato com o microbacilo causador da TB, mas não tem a doença ativa. O tratamento da ILTB reduz o risco de reativação da doença em mais de 60%.

PERFIL DA COINFECÇÃO– No ano de 2016, foram identificados 6.501 casos novos de pacientes com TB coinfectados com o HIV. Desse total, 71,9% eram do sexo masculino, 58,1% tinham entre 35 e 64 anos, 60,1% eram da raça/cor negra (pretos e pardos) e 32,7% eram brancos. Quanto à escolaridade, 51,1% eram analfabetos ou cursaram até o ensino fundamental completo.

Em relação às vulnerabilidades sociais das pessoas com coinfecção TB-HIV, 4,7% das pessoas estavam em situação de rua, 5,7% eram pessoas privadas de liberdade e 4,2% eram beneficiários de algum programa de proteção social do governo.

No Brasil e no mundo, a coinfecção TB-HIV vem afetando cada vez mais pessoas pobres, moradoras de periferia e com deficiência de moradia, alimentação e condições de saneamento. Por isso, a Organização Mundial de Saúde (OMS), por meio da Estratégia pelo Fim da Tuberculose, propõe uma mudança de paradigma, especialmente no que diz respeito às populações mais vulneráveis, com a concentração de esforços no diagnóstico precoce e na continuidade no tratamento, além de melhores condições de vida das populações mais afetadas.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/pessoas-que-vivem-com-hiv-tem-28-vezes-mais-chances-de-contrair-tuberculose