Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação permanente, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Segunda, 09 Março 2015 21:00

Programa brasileiro de AIDS salva 9,2 milhões de anos de vida, afirma trabalho apresentado nos EUA

Avalie este item
(1 Voto)

Programa brasileiro de AIDS salva 9,2 milhões de anos de vida, afirma trabalho apresentado nos EUA
Valor é a soma de anos de vida poupados de todos os pacientes que recebem o tratamento universal com antirretrovirais

SEATTLE – Estima-se que a terapia universal com antirretrovirais (TARV) oferecida pelo Brasil entre os anos de 1997 e 2014 tenha salvo 9,2 milhões de anos de vida, de acordo com dados apresentados na Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (CROI 2015) realizada em Seattle, nos EUA.

Segundo os pesquisadores, “a política nacional brasileira de acesso livre à TARV tem resultado em expressivos benefícios quanto à sobrevivência”. Eles acrescentaram ainda que “as contagens de CD4 mais altas no início da TARV e as melhorias nos esquemas iniciais e subsequentes de TARV vêm contribuíndo substancialmente para estes benefícios”.

A médica Paula Mendes Luz – PhD do Instituto Nacional de Infectologia Evandro Chagas (INI) – e seus colegas usaram o modelo matemático CEPAC-International para medir a expectativa de vida de pacientes brasileiros com HIV que iniciaram TARV no início do programa. Dados iniciais foram coletados a partir da coorte clínica de HIV do Instituto de Pesquisa Clínica Evandro Chagas (IPEC), bem como de bancos de dados governamentais.

Para refletir quaisquer mudanças na política e melhorias implementadas nos esquemas, o prazo total do estudo foi dividido em seis períodos (1997-1999, 2000-2003, 2004-2007, 2008-2012, 2013, 2014). Coortes de pacientes com características que refletiam seus respectivos períodos foram simulados a partir do início do tratamento em dois cenários: sem TARV e com TARV. O aumento na taxa de sobrevivência per capita decorrente da TARV foi multiplicado pelo número estimado de pacientes iniciando TARV naquele período, a fim de obter os anos de vida adicionais.

Ao longo de 18 anos, estimou-se que 618.500 pacientes com HIV iniciaram TARV no Brasil. As médias das contagens de CD4 no início do tratamento variavam entre 139/µL (1997-1999) e 510/ µL (2014). Como resultado da TARV, a expectativa de vida por pessoa aumentou em 7 anos, 13,5 anos, 16,4 anos, 17,9 anos, 19,6 anos e 18,9 anos em cada período sucessivo em estudo, não apresentando novas melhorias ao longo do tempo. Isso resultou em um tempo de sobrevivência estimado de 9,2 milhões de anos de vida – dos quais 1,5 milhões de anos de vida a partir de 2014.

"Um possível próximo passo seria não apenas estimar os benefícios para a saúde, mas também os custos”, disse Luz ao site norte-americano Infectious Disease News. “Assim, podemos ver o grande custo-benefício desta política para o Brasil, somado aos melhores índices de sobrevivência".
Referência: Luz PM, et al. Abstract 1119. Apresentado em: Conferência sobre Retrovírus e Infecções Oportunistas (Conference on Retroviruses and Opportunistic Infections); 23-26 fevereiro de 2015; Seattle, EUA.

 

Fonte: http://www.aids.gov.br/noticia/2015/programa-brasileiro-de-aids-salva-92-milhoes-de-anos-de-vida-afirma-trabalho-apresentad