Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação permanente, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Domingo, 05 Abril 2015 21:00

Saúde lança sistema para monitorar procedimentos de transfusão

Avalie este item
(0 votos)

Expectativa é atender cerca de 1.700 serviços da rede de hemoterapia, acompanhando os processos de transfusão e proporcionando maior agilidade no processo

Para garantir o maior controle dos processos que envolvem a doação de sangue na rede pública de saúde – da coleta e realização dos testes até a transfusão do sangue – foi lançado nesta terça-feira (31) pelo ministro da Saúde, o Sistema Hemovida Web - Módulo Transfusional. O sistema, produzido pelo Datasus, vai facilitar a rastreabilidade dos componentes de sangue, como plasma, plaquetas e hemácias, recebidos e distribuídos pelas Agências Transfusionais (ATs) que ficam, em sua maioria, dentro de hospitais. O lançamento aconteceu durante a Reunião Hemorrede Pública com gestores do Sistema Nacional de Sangue, Componentes e Derivados (Sinasan), em Brasília.

Cabe às agências transfusionais a responsabilidade por armazenar o sangue e seus derivados, realizar exames pré-transfusionais, liberar e transportar os produtos sanguíneos para as transfusões nos setores do Complexo Hospitalar. O sistema estará disponível a partir desta terça-feira (31) para todas as Agências mediante adesão dos gestores locais. A expectativa é que a ferramenta atenda cerca de 1.700 serviços da rede de hemoterapia brasileira, que representa aproximadamente 70% da rede. No total, o Brasil conta hoje com 2.700 serviços de coleta e distribuição de componentes do sangue.

Durante o lançamento do sistema, o ministro lembrou que, apenas no ano passado, foram realizadas no Brasil mais de três milhões de transfusões de sangue. “Esse sistema é de fundamental importância para garantir qualidade e segurança em todo o procedimento, desde a coleta até a transfusão sanguínea”, afirmou Chioro. Segundo ele, o monitoramento mostra que o país, apesar de suas diferenças regionais, pode ter uma rede de qualidade, com agilidade nos processos de transfusão de sangue.

A secretária de Atenção à Saúde, do Ministério da Saúde, Lumena Furtado, fez um apelo aos gestores locais pela adesão ao novo sistema. “A adesão é fundamental para que o sistema funcione, portanto, é importante que vocês façam um esforço para integrarem à nova ferramenta", afirmou a secretária. O Coordenador da Área de Sangue e Hemoderivados do Ministério da Saúde, João Baccara, explicou que o sistema tem como objetivo fortalecer a Hemorrede Pública.

DOAÇÃO- O novo módulo faz parte do Hemovida Web Ciclo do Sangue que deverá ter sua implantação concluída em dezembro e contemplará outras categorias de Serviços de Hemoterapia. As principais funcionalidades do software são o controle e o monitoramento dos componentes de sangue coletados e distribuídos em todo o país. Além disso, a ferramenta vai contar com cadastro de pacientes, médicos e técnicos, informações sobre o resultado de exames realizados em cada bolsa de sangue, tipagem sanguínea e destinação final do material. Além de garantir o controle dos processos envolvidos na coleta e transfusão de sangue, o sistema vai acelerar o processo e propiciar maior segurança aos pacientes.

Atualmente, 1,6% da população brasileira tem o hábito de doar sangue. O índice está dentro do recomendado pela Organização Mundial de Saúde (OMS) para autossuficiência dos países que é de 1% a 3% da população doando sangue. Para manter os estoques e evitar o desabastecidos, o Ministério da Saúde incentiva a população a fazer doações por meio de iniciativas, como a realização de campanhas publicitárias e ações estratégicas para o aumento e a qualificação do estoque.

HEMOVIDA WEB DOENÇA FALCIFORME – Em novembro de 2014, o Ministério da Saúde lançou o sistema voltado aos mais de 40 mil brasileiros que recebem tratamento para doença falciforme no Sistema Único de Saúde (SUS). Com a ferramenta, os pacientes passaram a contar com um sistema informatizado capaz de reunir informações cadastrais, clínicas e medicamentosas sobre cada paciente atendido na rede pública de saúde.

O software tem o objetivo de sistematizar os indicadores sobre a doença sanguínea hereditária, caracterizada pela alteração dos glóbulos vermelhos, contribuindo para o direcionamento das políticas públicas de doença falciforme. A implantação do sistema também está sujeita a adesão de gestores e serviços de hemoterapia, feita por termo de confidencialidade de uso e adesão.

NOVAS TECNOLOGIAS – Nos últimos anos, o Ministério da Saúde vem investindo em projetos de pesquisa e desenvolvimento tecnológico, com parceiros públicos para nacionalizar os insumos e kits diagnósticos já disponibilizados pelo SUS. Além disso, a pasta investe na introdução de novas tecnologias voltadas para a qualificação da atenção hemoterápica.

Desde 2004, R$ 43 milhões foram investidos pelo Ministério da Saúde em pesquisa, desenvolvimento e compra de equipamentos para qualificação da atenção hemoterápica. Até 2016, o ministério pretende repassar mais R$ 21 milhões para pesquisas na área.

Fonte: http://portalsaude.saude.gov.br/index.php/cidadao/principal/agencia-saude/17243-saude-lanca-sistema-para-monitorar-procedimentos-de-transfusao