Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação permanente, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Sexta, 04 Maio 2018 13:28

Seminário reúne especialistas brasileiros e franceses para debater avanços nas pesquisas sobre HIV/aids

Avalie este item
(0 votos)

Evento faz parte das atividades científicas realizadas no âmbito do projeto de cooperação entre os dois países

Foi realizado nesta quinta-feira (3), em São Paulo, o 25º Seminário Técnico-Científico Brasil-França em Infecções Sexualmente Transmissíveis, HIV/Aids e Hepatites Virais. O encontro tem por objetivo o compartilhamento de experiências e a discussão temática sobre pesquisas e evidencias científicas relacionadas a esses agravos. Participaram do seminário cerca de 80 pessoas, entre pesquisadores e especialistas brasileiros e franceses, profissionais de saúde, gestores, representantes da sociedade civil e ex-estagiários do Programa de Cooperação.  O evento dá seguimento a agenda de atividades do Projeto de Cooperação Brasil-França, iniciada na quarta-feira (2) com a “6ª Jornada Científica do Programa de Cooperação em Pesquisa sobre HIV, Aids e Hepatites Virais” (LINK PARA MATÉRIA)

A sessão inaugural do 25º Seminário Técnico-Científico Brasil-França em IST, HIV/Aids e Hepatites Virais foi aberta pelo  diretor da Agência Francesa de Pesquisa sobre HIV/Aids e Hepatites Virais (ANRS), François Dabis, que destacou os principais objetivos de atuação da agência que há 27 anos busca conduzir as melhores contribuições científicas na luta contra o HIV e, mais recentemente, incorporou também o fomento a pesquisas sobre as hepatites virais. Dabis ressaltou a importância da cooperação entre o Brasil e a França, classificando como “uma cooperação dinâmica, que envolve troca de informações, conhecimento e de financiamento, que é muito enriquecedora para os dois países.”

Também participaram da sessão inaugural o adido de Cooperação da Embaixada da França, Damien Gairin-Calvo; a co-coordenadora francesa do Programa ANRS/DIAHV e médica do Serviço de Doenças Infecciosas e Tropicais do Hospital Saint-Louis na França, Nathalie de Castro; o coordenador de Controle de Doenças da secretário de Saúde do Estado de São Paulo, Marcos Boulos;; e a diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/AIDS e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde, Adele Benzaken.

SESSÕES TEMÁTICAS - Após a abertura, a diretora do DIAHV deu inicio as sessões técnicas apresentando os avanços brasileiros no alcance da meta 90-90-90 de resposta ao HIV, durante o painel intitulado “Cascata, Acesso a Diagnóstico Precoce e Políticas de Testagem”, que também contou com a participação da epidemiologista Virginie Superivie, do Instituto Nacional Francês de Saúde e Pesquisa Médica (Inserm).

Durante a apresentação, Adele mostrou o perfil da epidemia de HIV no Brasil – estimado em 855 mil pessoas vivendo com o vírus e concentrada em populações-chave e em jovens – e os dados mais recentes da cascata de cuidado contínuo do HIV, que mostram o patamar do Brasil no alcance da meta 90-90-90. Em 2017, 84% das pessoas que vivem com HIV foram diagnosticadas, 75% estavam em tratamento e 92% com carga viral suprimida.

“Esses dados demonstram que o tratamento preconizado pelo Brasil em seus protocolos está funcionando bem. Só em 2017, nós iniciamos o tratamento com mais 70 mil pessoas, somando, atualmente temos mais de meio milhão de pessoas em tratamento antirretroviral no país. Também, em 2017, introduzimos o dolutegravir como tratamento de primeira linha e passamos a ofertar a PrEP”, pontuou Adele Benzaken.

Dando sequencia às sessões temáticas, pesquisadores brasileiros e franceses apresentaram as principais evidencias de pesquisas no âmbito do Programa de Cooperação e sua aplicabilidade na prevenção e tratamento do HIV/aids no Brasil, na França e também na Guiana Francesa. A profilaxia e tratamento de infeções oportunistas e redução da mortalidade por aids ocupou o debate de duas sessões, uma que tratou sobre a coinfecçao tuberculose (TB)/HIV e principais doenças oportunistas neurológicas em pacientes com HIV – toxoplasmose e meningite por criptococose e por tuberculose – e a outra que abordou a histoplasmose – doença cutânea que, embora ainda com poucos dados sobre sua incidência relacionada ao HIV, as evidencias indicam que a coinfecçao histoplasmose/HIV responde por cerca de 40% das mortes por aids, índice similar ao da coinfecçao TB/HIV.

Os desafios da implementação do tratamento antirretroviral imediato (Timing do tratamento), que busca reduzir a quase zero o intervalo entre o diagnostico do HIV e o inicio do tratamento, também foi tema de uma das sessões. Atualmente no Brasil esse intervalo é de cerca de 40 dias. O abandono, a irregularidade do tratamento e a resistências aos medicamentos antirretrovirais foram discutidos durante outra sessão, com destaque para o trabalho de monitoramento da resistência ao HIV no Brasil, com a reorganização da Rede Nacional de Genotipagem (Renageno) e do fluxo de solicitação de exames de genotipagem do HIV. Encerrando as sessões temáticas, pesquisadores da London School of Hygiene and Tropical Medicine e do Instituto Nacional do Câncer (INCA) debateram a relação entre alguns tipos de câncer e o HIV, com destaque para a relação entre o HPV e o risco aumentado de infecção por HIV e também da incidência de mortes de pessoas vivendo com HIV em decorrência do câncer do colo do útero.  

ESTÁGIOS – A última mesa do seminário reuniu quatro bolsistas selecionados pelo Programa Cooperação, que fizeram um relato dos trabalhos que desenvolveram durante o estágio na França, em 2017. Os temas dos trabalhos apresentados foram: “Melhores práticas da oferta de PrEP na França e diferenças com a oferta de PrEP no Brasil”; “Gestão da Pesquisa Clínica em HIV/aids fomentada pela ANRS: o estudo REFLATE – TB 2, uma parceria de sucesso Brasil – França”; “Prevenção do HIV na população jovem: busca de experiências exitosas na França com potencial de aplicação no Brasil” e “Experiência prática na avaliação dos medicamentos destinados ao tratamento de Hepatites Virais”.

Em 2018, mais sete bolsistas foram selecionados pelo Programa de Cooperação Brasil-França, via edital público, para desenvolverem estágios na França relacionados à temática do HIV/aids e das hepatites virais.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/seminario-reune-especialistas-brasileiros-e-franceses-para-debater-avancos-nas-pesquisas