Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Segunda, 16 Julho 2018 10:44

DIAHV apresenta resultado do estudo sobre resistência do gonococo e participa de reuniões da OMS sobre futuros estudos de testagens rápidas para as IST em Dublin

Avalie este item
(0 votos)

O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais apresentou contribuições brasileiras às pesquisas sobre diagnóstico e tratamento da gonorreia e outras infecções sexualmente transmissíveis

A situação mundial da resistência do gonococo e pesquisas sobre o uso dos testes rápidos para diagnóstico de  HIV, sífilis, clamídia, gonorreia etrichomonas vaginalisforam os temas debatidos pela diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV), Adele Benzaken, na última quarta-feira (27) durante sessões pré-congresso doIUSTI 2018 World + European Congress. O evento organizado pela International Union against Sexually Transmitted Infections/IUSTI (União Internacional contra Infecções Sexualmente Transmissíveis) começa nesta quinta-feira (28) e segue até sábado (30), em Dublin, Irlanda do Norte.

Durante a sessão, promovida pela Organização Mundial de Saúde (OMS) e a Global Antibiotic Research & Development Partnership/GARDP (Parceria Global de Pesquisa e Desenvolvimento de Antibióticos, sobre a situação mundial da resistência do gonococo – bactéria causadora da gonorreia – aos antimicrobianos, o Brasil foi citado como um dos países que estão iniciando testes moleculares com cepas de gonococos. A menção fez referência ao projeto SenGono – estudo nacional de vigilância da resistência das cepas de gonorreia circulantes no Brasil – coordenado pelo DIAHV em parceria com o Laboratório de Biologia Molecular e Microbactérias da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC) e a OMS.

Em 2016, o Projeto SenGono analisou 550 cepas de gonococo em todas as regiões do país; constatou-se elevada resistência da bactéria à penicilina, à tetracilina e à ciprofloxacina. Os estudos moleculares com as cepas estão sendo realizados em parceria com o Laboratório de Referência em Gonorreia e outras Infecções Sexualmente Transmissíveis da Universidade de Örebro (Suécia).

As ações para o enfrentamento da gonorreia e também da resistência aos antimicrobianos foram apresentados pela OMS e pelo Centers for Disease Control/CDC (Centro de Controle e Prevenção de Doenças) dos EUA, como os avanços nos estudos epidemiológicos de biologia molecular e no desenvolvimento de testes rápidos para detecção de resistência aos antimicrobianos.

A OMS também salientou a urgência da situação atual – ocorrência de casos da “supergonorreia” em vários países geograficamente distantes como a Inglaterra, a Austrália, o Japão, a Dinamarca e a França – e reforçou a necessidade de análises sistemáticas dos dados mundiais sobre gonorreia para dar mais agilidade à emissão de alertas mundiais sobre a doença, especialmente em situações de emergência.  

À tarde, Adele Benzaken participou de encontro promovido pelo Departamento de Pesquisa em Saúde Reprodutiva da OMS, que reuniu pesquisadores e co-investigadores de uma pesquisa depoint of careque está acontecendo em vários países, em parceria com a Organização Mundial de Saúde.Point of care, ou POC, é um termo que denomina uma série de tecnologias de cuidado no ponto de atenção, que incluem testes laboratoriais remotos e testagem rápida, que permitem o diagnóstico de doenças de forma ágil e mais acessível.  

Os estudos têm por finalidade subsidiar futuramente as recomendações da OMS para o uso dos testes rápidos para diagnóstico das IST. O Brasil participará desses estudos com envolvimento do Ministério da Saúde e de pesquisadores e profissionais de saúde da UFSC e do Instituto Evandro Chagas, no Pará. Serão analisados os testes GeneXpert para clamídia, gonorreia etrichomonas vaginalis; e SD BIOLINE HIV/Syphilis Duo (Abbott) e DPP® HIV-Syphilis Assay (Chembio) para sífilis.

Adele Benzaken participou ainda de encontro da diretoria do IUSTI, quando foi anunciada a realização de encontro da organização, em setembro de 2019, em Foz do Iguaçu – tríplice fronteira entre Brasil, Argentina e Paraguai. O Brasil é o coordenador latino-americano da IUSTI.

Brasil também coordenou sessão plenária sobre sífilis congênita onde foi citado o papel de liderança do Brasil ao ser o primeiro país do mundo a notificar OMS e OPAS sobre o desabastecimento de penicilina e tomar as providências técnicas cabíveis. Atualmente mais de 20 países vivenciam o desabastecimento por falta da escassa produção do insumo farmacêutico ativo produzido na China.

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/diahv-apresenta-resultado-do-estudo-sobre-resistencia-do-gonococo-e-participa-de-reunioes