Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 03 Outubro 2018 16:34

Brasil fecha parceria internacional para ter acesso a vacinas

Avalie este item
(0 votos)

Acordo com a Gavi Alliance (Aliança Global para Vacinas e Imunização) prevê doação de US$ 1 milhão anual a partir deste ano. A ação foi firmada durante a Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York (EUA)

O Brasil passa a fazer parte da Gavi Alliance (Aliança Global para Vacinas e Imunização), organização não governamental sem fins lucrativos, que reúne parceiros públicos e privados com o objetivo de fornecimento de vacinas em todo o mundo. Por meio do acordo, o Brasil vai doar US$ 1 milhão anualmente para a entidade internacional para apoiar o acesso a vacinas nos países mais pobres. A Gavi tem um papel central na promoção da imunização internacionalmente, inclusive apoiando os estoques emergenciais para vacinas.  O ministro da Saúde, Gilberto Occhi, e o CEO da Gavi, Seth Berkley, assinaram parceria, nesta quarta-feira (26), durante a 73ª Sessão da Assembleia Geral das Nações Unidas em Nova York (EUA).

“Hoje passamos a fazer parte dessa organização que é fundamental para o acesso a vacinas e são parceiros da UNICEF e OMS nesta tarefa. É uma ação que insere o Brasil no centro das políticas internacionais de imunização.

Apoiar a Gavi é importante para também garantir os estoques emergenciais de vacinas para doenças estratégicas. Isso é muito importante porque, num momento em que surgir no país algum tipo de doença para a qual o Brasil não produz a vacina ou em que haja dificuldade de se encontrar laboratórios produtores, também podemos contar com essa parceria”, comemorou o ministro da Saúde, Gilberto Occhi.

A entidade foi importante para o Brasil no ano passado. Diante da situação emergencial do surto de febre amarela, o governo brasileiro recorreu à Organização Mundial da Saúde (OMS) e a instituição adquiriu 3 milhões de doses da vacina contra a doença. A parceria pode facilitar ainda a possibilidade de laboratórios federais do Brasil, como Fiocruz e Butantan, fornecerem vacinas para essa instituição, como é o caso da vacina de Febre Amarela que é exportada pelo Brasil desde 2001. A Gavi é responsável pela aquisição e acesso a vacinas entre os países mais pobres do mundo.

Luta contra a tuberculose

Ainda em Nova York, durante a 1ª Reunião de Alto Nível das Nações Unidas na Luta contra a Tuberculose, o ministro da Saúde, Gilberto Occhi, reafirmou o compromisso do Brasil pelo fim da doença no mundo. “O Brasil está empenhado em fazer parte do grande esforço mundial para erradicarmos a doença até 2030”, disse, assinalando a importância do investimento em pesquisa e inovação.

 

Para Gilberto Occhi, é essencial o desenvolvimento de tratamentos mais simples, eficazes e com preços, bem como de uma vacina mais eficaz “que resultaria em forte diminuição de casos e mortes no mundo”. O Brasil foi um dos sete países que propuseram uma resolução para realização de um evento de alto nível sobre TB, em 2016, que foi aprovada por unanimidade pelos Estados membros.

O objetivo da reunião que reuniu Chefes de Estado de dezenas de países é garantir engajamento político no tema e fortalecer a implementação da Estratégia pelo Fim da Tuberculose, da OMS, visando o alcance das metas acordadas para os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável (ODS), por meio de resposta multissetorial.

O Brasil atingiu as Metas dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio (ODM) relacionadas à tuberculose. Em 2017, foram registrados 72 mil casos novos e 14 mil casos deretratamento (reingresso após abandono e reincidência) de tuberculose no Brasil.

 

 

Fonte: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/44440-brasil-fecha-parceria-internacional-para-ter-acesso-a-vacinas