Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 07 Novembro 2018 11:51

Pesquisas em HIV e hepatite C são apresentadas em Seminário

Avalie este item
(0 votos)

Cooperação Brasil e EUA entre Ministério da Saúde, Ministério da Ciência e Tecnologia, CNPq e NIH apresentam os projetos científicos e tecnológicos em saúde

O Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV) do Ministério da Saúde participou, nos dias 30 e 31 de outubro, do seminário final de avaliação de pesquisas científicas. O evento “Cooperação Brasil e Estados Unidos - Pesquisa Científica e Tecnológica em Saúde” reuniu cientistas brasileiros que apresentaram resultados de pesquisas apoiadas na Chamada NIH/MCTI-CNPq/MS-SCTIE-DECIT-SVS-DST-Aids n° 30/2014 em IST, HIV e Hepatite C, além de outras áreas da saúde.

Durante a cerimônia de abertura, o secretário de Ciência, Tecnologia e Insumos Estratégicos do Ministério da Saúde, Marcos Fireman, destacou a importância de pesquisas aplicadas que possam ser utilizadas na prática pelo Sistema Único de Saúde (SUS). “Avaliamos sempre a aplicabilidade e viabilidade dos projetos para a saúde pública. Estamos atrás de pesquisas que melhorem a gestão em saúde e que sejam efetivamente aplicados ao SUS. Por isso investimos em institutos de pesquisa e na comunidade científica e acadêmica”, afirma.

A consultora do DIAHV Cristina Pimenta ressaltou a importância de pesquisas voltadas para o HIV e Hepatite C realizadas em conjunto com entidades nacionais e internacionais. Além disso, enfatizou o fortalecimento das redes de pesquisa no Brasil por meio da colaboração com os pesquisadores dos Institutos de Saúde Americanos (NIH), gerando evidência científica e aplicação nas áreas de assistência e prevenção em IST/HIV/Aids do SUS.

A diretora substituta do Departamento de Vigilância das Doenças Transmissíveis (DEVIT) do Ministério da Saúde, Wanessa Tenório, lembrou que “o evento estimula a inovação para a incorporação de novas tecnologias em saúde. O seminário serve para conhecer pesquisas que contribuem para uma significativa melhora nos sistemas de saúde e afetam diretamente nosso maior interessado: o usuário do SUS”.

O Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações (MCTIC)  representado por  seu diretor Fábio Larotonda  destacou a parceria realizada entre a pasta e o CNPq. “O MCTIC promove diálogo contínuo com o CNPq. Discutimos várias parcerias para a promoção de novas tecnologias em saúde, por isso atendemos diversas áreas – de modo transversal – e tentamos implementá-las”, diz.

No total foram apresentados 63 projetos dos quais 19 foram aprovados pelo CNPq e pelo Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos da América (NIH). “Estes projetos receberam 12 milhões de reais e hoje estamos aqui atendendo a este chamado para ver os resultados destas pesquisas”, relata Marcelo Morales, diretor de Ciências Agrárias, Biológicas e da Saúde do CNPq.

Morales ainda relatou sobre o marco regulatório que rege os aprovados. Segundo ele, o foco é voltado para resultados práticos que “podem e devem virar política pública em saúde. Por isso, fazemos chamados nas etapas iniciais, intermediárias e finais para prestar uma consultoria permanente e avaliar suas viabilidades para implementação no SUS”.

Os resultados apresentados indicam uma parceria de sucesso entre o Brasil e os Estados Unidos. Prova disso foi a vinda do secretário de Saúde e Serviços Humanos dos Estados Unidos Alex Azar ao Brasil no início de outubro, onde visitou Fortaleza e São Paulo para discutir a colaboração entre os dois países na área de segurança da saúde global, parceria científica e reforma do setor de saúde.

“Em Fortaleza, Azar se encontrou com famílias locais para saber mais sobre o vírus da zika e microcefalia. Ele discutiu como as duas nações podem trabalhar juntas para melhorar e proteger nossos cidadãos contra ameaças globais à saúde. Em São Paulo, Azar e o ministro da Saúde Gilberto Occhi visitaram o Hospital Sírio-Libanês e o hospital municipal infantil Menino Jesus. Ele também visitou as instalações do Instituto Butantã. Durante a visita ao instituto, o secretário Azar e o ministro Occhi discutiram a cooperação duradoura entre os EUA e o Brasil na pesquisa em saúde, incluindo biotecnologia e produção de vacinas”, afirmou Amy DuBois, Adida de Saúde na Embaixada dos Estados Unidos no Brasil.

Por fim, o diretor associado para Assuntos Internacionais de Pesquisa dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos Dr. Gray Handley reiterou a importância entre a colaboração dos países para a construção de pesquisas sólidas e aplicáveis nos sistemas de gestão em saúde. “É preciso melhorar e ampliar a destinação de recursos para pesquisas e investigações em saúde. Nossa contribuição é sempre com intuito de colaboração e intercâmbio entre Brasil e EUA. Basta ver o quão importante este investimento que, há décadas, o Brasil encontra-se em um patamar muito avançado em relação aos demais países em relação aos avanços na prevenção e tratamentos para o HIV. Isto é resultado de muito esforço aplicado em pesquisas e políticas públicas sérias para o enfrentamento desta epidemia”, conclui.

Projetos apresentados no seminário com temáticas em IST, HIV e hepatite C

  • Células T CD4+ em infecção aguda versus infecção crônica pelo vírus da hepatite C, de Lia Laura Lewis Ximenez de Souza.
  • Efeito da infecção pelo HIV em desfechos de câncer entre mulheres com câncer cervical matriculadas no Instituto Nacional de Câncer (INCA), de Marcelo Alves Soares.
  • Uma estratégia baseada em RNAseq para quantificar a expressão de genes HLA: desenvolvimento e aplicação a estudos com doenças infecciosas, de Vitor Aguiar.
  • Identificação, caracterização e modelagem de peptóides mimetizando estruturas de epítopos com alta afinidade para anticorpos pan-neutralizantes de HIV-1: rumo ao desenvolvimento de uma nova classe de antígenos vacinais, de Roberto Dias Lins Neto.
  • Métodos Mistos para estudo da prevalência da infecção pelo HIV, do conhecimento, disposição para utilizar, aceitabilidade de barreiras para adoção e adesão à profilaxia pré-exposição (PrEP) entre travestis no Rio de Janeiro, Brasil, de Emília Jalil.
  • Reaquisição da resistência a Interferon tipo 1 durante a infecção pelo HIV-1 e progressão à doença, de Enrique Roberto Argañaraz.
  • Terapia Antirretroviral Precoce e Remissão da Infecção Perinatal do HIV, de Esaú Custódio João Filho.
  • Auto Coleta de teste de HPV em mulheres não rastreadas: estudo de viabilidade no Brasil, de Marcia Edilaine Lopes Consolaro.

Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais
Conheça também a página do DIAHV no Facebook:
https://www.facebook.com/ISTAidsHV

 

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/pesquisas-em-hiv-e-hepatite-c-sao-apresentadas-em-seminario