Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 07 Novembro 2018 11:52

Sífilis Não" reúne apoiadores para oficina de formação e definir expansão do projeto aos 100 municípios prioritários até 2019

Avalie este item
(0 votos)

Atualmente 72 municípios são atendidos pelo projeto. Participantes expuseram as experiências iniciais em seus territórios.

Apoiadores do Projeto Interfederativo de Resposta à Sífilis nas Redes de Atenção (Sífilis Não) participaram, entre 17 e 19 de outubro, em Brasília, de oficina de formação e apresentaram resultados das ações nos territórios de atuação. O projeto tem como meta chegar aos 100 municípios prioritários para a resposta brasileira à sífilis. O projeto iniciou suas atividades em abril deste ano, contando com a participação de 52 apoiadores que cobrem 72 dos 100 municípios prioritários.  Durante o evento foi debatido o plano de trabalho, realizadas atividades em grupo com avaliação dos pontos críticos encontrados e estratégias já praticadas e as que devem ser desenvolvidas para avançar no combate à sífilis e o alcance do projeto aos 100 municípios prioritários. Outras pautas da oficina foram as ações para populações-chave e prioritárias para a sífilis e as perspectivas de trabalho para o último trimestre de 2018 e as diretrizes para 2019.

A atenção e o esforço dos apoiadores foram destacadas pela diretora do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais, Adele Benzaken. “Mais do que a informação desses trabalhos iniciais, é uma grata surpresa notar o esforço dos articuladores, do que já foi realizado nos territórios”, afirmou. “Daqui por diante, é preciso que vocês tenham persistência e eficácia para os trabalhos que teremos a partir de 2019, com base nas experiências já coletadas, a fim de reverter o quadro que relataram para o Departamento”.

Adele Benzaken ressaltou que a sífilis pode ser controlada, a partir das ações imediatas dos apoiadores. “A sífilis é um agravo que pode impactar a curto prazo, o tratamento é rápido e tem cura. Precisamos investir no convencimento às pessoas, mas não adianta educar se não formamos uma rede, uma linha de cuidado à população, principalmente às crianças expostas à doença”.

Destacam-se neste ciclo de monitoramento realizado para esta Oficina ,  a expansão de articulações dos apoiadores e apoiadoras em relação ao período entre abril e setembro, com o reconhecimento dos esforços de fortalecimento da integração entre atenção básica e vigilância; ações de superação de entraves à dispensação de penicilina na atenção básica ; as ações de expansão da testagem rápida , de qualificação da prática clínica e de notificação; o desenvolvimento de ações de mobilização social, educação e prevenção realizadas em espaços comunitários; a qualificação das programações e a priorização das ações de enfrentamento à sífilis pelas áreas técnicas e gestores municipais e estaduais ; a necessidade de fortalecimento da articulação junto aos COSEMS e a inserção da pauta sífilis nos espaços de gestão como CIB, CIR em destaque a necessidade deste movimento face os calendários de planejamento e renovação de planos/programações municipais de saúde.

Ações futuras– Dentre os trabalhos previstos para 2019 estão a ampliação da cobertura de apoio aos municípios prioritários, passando de 72 para 100 cidades; a definição da modelagem de redes de atenção à sífilis; pautas sobre resposta rápida à sífilis; desenvolvimento e oferta de módulos educacionais para diagnóstico, tratamento e vigilância; ampliação e cobertura de diagnóstico e de tratamento; implantação dos comitês de Investigação de Transmissão Vertical; qualificação das ações de vigilância; integração entre vigilância e atenção; ações de comunicação; implementação das salas de situação.

“Temos a necessidade de trabalhar extramuros, de lançarmos o desafio de irmos até as comunidades, estar onde o povo está, vincular essas pessoas visitadas ao Ministério da Saúde”, afirmou a diretora do DIAHV. “É importante o mapeamento também de onde estão as populações-chave nos territórios em que os apoiadores atuam, saber onde há ou se há locais para tratamento”.

Adele Benzaken lembrou, ainda, da participação conjunta com a sociedade civil. “É importante a articulação com as ONG’S, pois a educação com os pares favorece os trabalhos devido à facilidade de comunicação entre os pares”, disse.

Projeto– O Projeto de Resposta Rápida à Sífilis nas Redes de Atençãoéfruto de uma parceria entre o Ministério da Saúde (por meio do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais/DIAHV), o Laboratório de Inovação Tecnológica em Saúde da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (LAIS/UFRN) e a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas).

Os 52 apoiadores selecionados têm curso superior completo em diversas área do conhecimento, atuando como mediadores entre a gestão e os serviços de saúde de estados e municípios para a elaboração do plano de trabalho local de implementação do projeto. São considerados o perfil epidemiológico e as necessidades de cada região, as atividades executadas, o monitoramento de trabalhos e a avaliação de resultados. Também participam da implantação dos Comitês de Investigação para prevenção da transmissão vertical de HIV e sífilis e da formação e apoio para a operacionalização do Grupo de Acompanhamento Local (GAL).

Comunicação– No último dia do evento, foi realizada a Oficina de Comunicação. Os participantes foram desafiados a, em grupos, propor ações de trabalho próximas às populações-chave e prioritárias.

Dentre as cinco propostas estão a ação na rua, realizada a partir de experiência já em prática em João Pessoa. Entidades da sociedade civil e órgãos governamentais realizam testagem de fluído oral às populações-chave na orla da praia. A periodicidade seria contínua, a cada três meses, independentemente de campanhas convencionais. O público-alvo é o de trabalhadores e trabalhadoras do sexo.

Outro grupo propôs parceria com empresas de aplicativos de transporte com estratégias para chamar a atenção de motoristas e passageiros para realizar a testagem de sífilis. A proposta englobaria os meses de outubro (devido ao Dia Nacional da Sífilis e da Sífilis Congênita), novembro (novembro azul, em alusão ao câncer de próstata) e dezembro (Dia Nacional de Luta Contra a Aids).

A terceira ideia é a de sensibilizar a população jovem via mídias sociais, com a construção de aplicativo de jogo com perguntas e respostas sobre a sífilis. Outras ações seriam vídeos para mídias sociais com rodas de conversa com informações sobre sífilis e folder com QR Code para distribuição nas escolas.

Ações na rua com o objetivo de dar visibilidade à epidemia da sífilis foi o mote do quarto grupo a se apresentar. A proposta é a de publicar informações sobre a doença em busdoor (anúncios em janelas de ônibus do transporte coletivo local); em coletes de mototaxistas; em perfurate (película para aplicação em vidros de veículos); plotagem em carros oficiais. Seriam utilizadas as cores do semáforo de trânsito para chamar a atenção do público, com as cores vermelho (para testagem), amarelo (tratamento) e verde (cura).

O último grupo sugeriu atividades na rua, nos fins de tarde, a fim de atender ao público que frequenta bares e restaurantes para o happy hour. A campanha teria destaque nos porta-copos, Spencer de camisinhas com adesivos, tendo como tema o lembrete para realização da testagem.

Presença– Participaram da oficina de formação Adriana Fagundes Duarte Rodrigues da Costa (Distrito Federal); Adriana Paula da Silva Olinda (Pernambuco); Aldelice Gomes Ferreira (Acre); Americo Yuiti Mori (São Paulo); Ana Cristina Braga Chaves (Pará); Angela Cavalcanti Marcondes (Pernambuco); Angela Parrela Guimarães (Minas Gerais); Carla de Almeida Vieira Azenha (São Paulo); Carla Zilio (Rio Grande do Sul); Caroline Schweitzer de Oliveira (Santa Catarina); Cassia Valeria Carneiro (Goiás); Chyrly Elidiane de Moura (Rio Grande do Norte); Cintia Michele Gondim de Brito (Pernambuco); Danielli Botarelli Fragoso (São Paulo); Debora Cristina de Lima (Paraná); Decio de Castro Alves (Distrito Federal); Érica Ribeiro de Lima Silva (Rondônia); Gabriela Fonte Pessanha (Rio de Janeiro); Gabrielle Almeida Rodrigues (Roraima); Gilmar Correia Dias (Pernambuco); Glaydes Maria dos Reis Alves (Rio de Janeiro); Katherine Jeronimo Lima (Ceará); Isabelle Mendes de Oliveira (Mato Grosso do Sul);  José Carlos Veloso Pereira da Silva (São Paulo); José Maria Ximenes Guimarães (Ceará); Karinna Alves Amorim de Sousa (Piauí); Leila Maria Ribeiro (São Paulo); Liliana pereira coelho (Espírito Santo); Louanne Aires Pereira (Ceará); Luciane de Fátima Fernandes de Carvalho (Paraíba); Luís Saulo Sousa Santos (Maranhão); Magda Ferreira Queiroga (Ceará); Marco Aurélio de Oliveira Goes (Sergipe); Maria Angelica Duarte Silva (Rio de Janeiro); Maria de Fátima Brito de Rezende (Rio de Janeiro); Maria Lia Silva Zerbini (Rio Grande do Sul); Marileide Florêncio Martins (Tocantins); Michelle Ribeiro de Sequeira (Rio de Janeiro); Michelly Luana da Silva (Minas Gerais); Miriam Estela de Souza Freire (Mato Grosso); Neide Gravato da Silva (São Paulo); Neyla Campos Almeida Cordeiro de Menezes (Alagoas); Paula Guidone Pereira Sobreira Mesquita (Rio de Janeiro); Rita Ana da Silva Lima (Minas Gerais); Rozangela Locateli Armini (Espírito Santo); Sandro Rogério Mendes da Silva (Macapá); Sofia Campos dos Santos (Bahia); Solange Setta Machado (Rio Grande do Sul); Tais Rangel Cruz Andrade (Amazonas); Vania Priamo (Bahia).

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/sifilis-nao-reune-apoiadores-para-oficina-de-formacao-e-definir-expansao-do-projeto-aos-100