Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação continuada, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Segunda, 07 Janeiro 2019 09:23

Queda de mortes por aids, uma das conquistas de 2018

Avalie este item
(0 votos)

Ampliação do tratamento a todas as pessoas com hepatite C, implantação da PrEP e predominância do uso do dolutegravir para tratamento do HIV são outros destaques

A queda no número de óbitos por aids no Brasil; implantação da Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) em todo o país; tratamento gratuito a todas as pessoas diagnosticadas com hepatite C  - independentemente do grau de lesão hepática; reconhecimento internacional de estudo brasileiro sobre a efetividade do dolutegravir; e a participação expressiva do Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das Infecções Sexualmente Transmissíveis, do HIV/Aids e das Hepatites Virais (DIAHV) na 22ª Conferência Internacional de Aids, em Amsterdã (Holanda), são alguns dos destaques de 2018.

Dentre os destaques do ano, a diretora do DIAHV, Adele Benzaken, ressalta a redução no número de mortes por aids. “Em 20 anos, é a primeira vez em que temos uma queda tão expressiva nas taxas da mortalidade”, comemora. A última vez que o país registrou diminuição tão expressiva, foi entre 1996 e 1997, com a chegada da terapia tríplice, o chamado coquetel, para tratamento das pessoas que vivem com o vírus.

Resposta Rápida a Sífilis

OProjeto deRespostaRápida à Sífilis nas Redes de Atençãoiniciou o ano com abertura de edital para seleção de 52 apoiadores. Selecionados para atuarem nos municípios prioritários,os apoiadores têm a missão de auxiliar as equipes de saúde locais na implementação do projeto. Em abril, Natal (RN) recebeu a primeira etapa do seminário “Resposta Rápida à Sífilis nas Redes de Atenção” que também teve encontros em Brasília e São Paulo. Em outubro, os apoiadores do Projeto participaram, em Brasília, de oficina de formação e apresentaram resultados das ações realizadas nos territórios. Todos esses encontros tiveram como objetivo articular gestores e apoiadores para implementação de ações de prevenção e controle da sífilis. Em novembro, ainda com parte das estratégias do Projeto de Resposta Rápida à Sífilis, foi lançada a campanha “Teste, Trate e Cure”, para informar e lembrar as pessoas sobre a importância da prevenção, do diagnóstico e do tratamento da sífilis. Saiba mais sobre a campanha em: www.sifilisnao.com.br

PrEP

Implementada em janeiro de 2018, em 36 serviços em 22 cidades, a Profilaxia Pré-Exposição (PrEP) ao HIV foi expandida ao longo do ano e hoje está disponível em 63 serviços de 90 municípios em 21 estados e no Distrito Federal. Desde a implantação, 5.978 pessoas tiveram ao menos uma dispensa de PreP

Carnaval 2018

“Prevenir é Viver o Carnaval”, esse foi o tema da campanha do carnaval 2018 do Ministério da Saúde. Com objetivo de fortalecer as diversas formas de prevenção ao HIV junto ao público jovem, a campanha teve continuidade ao longo do ano de 2018, com ações nas principais festas populares do Brasil – como São João, Parada LGBT e Lollapalooza.

The Lancet

A revista científica britânicaThe Lancetpublicou, em fevereiro, dois artigos destacando o protagonismo do Brasil na resposta da América Latina à epidemia de HIV/aids. Nos artigos ressaltaram que o Brasil deve liderar a América Latina nos esforços à implantação da PrEP e ao controle da epidemia.

Protocolo Hepatite C

A atualização do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas das Hepatites Virais, publicada em março, garantiu o tratamento gratuito no Sistema Único de Saúde (SUS) para todas as pessoas diagnosticadas com hepatite C, independentemente do grau de lesão hepática. Em dezembro, nova atualização incluiu, entre os as opções de tratamento da doença, dois esquemas terapêuticos pangenotípicos (que tratam todos os tipos de vírus da hepatite C): o glecaprevir/pibrentasvir e o velpatasvir/sofosbuvir.

Nova remessa do 3 em 1

Vinte e três milhões de comprimidos do medicamento antirretroviral “3 em 1” - composto pelo tenofovir (300mg), lamivudina (300mg) e efavirenz (600mg) - chegaram ao Brasil, em março, para serem distribuídos aos então 232 mil pacientes em tratamento com este esquema em todo o país.

Viva Melhor Sabendo

Em abril, durante oSeminário de Avaliação doProjeto Viva Melhor Sabendoforam apresentados os resultados do projeto realizado em parceria com organizações da sociedade civil.Entre 2014 e 2018 foram realizados mais 170 mil testes em todo o Brasil. Entre as pessoas testadas, 51% nunca haviam feito teste de HIV na vida, sendo, destes, 1,6% dos resultados positivo para o HIV;

Mulheres e o uso do Dolutegravir

Em maio, o DIAHV divulgou Nota Informativa que contraindicou a prescrição do medicamento dolutegravir para mulheres vivendo com HIV em idade fértil e que pretendam engravidar. A recomendação seguiu a declaração emitida pela Organização Mundial da Saúde (OMS), quanto ao potencial risco de segurança do uso do antirretroviral dolutegravir naquelas mulheres no momento da concepção.

Estudo POP-Brasil

Também em maio foi apresentado os resultados preliminares do estudo epidemiológico sobre a prevalência nacional de infecção pelo Papilomavírus (HPV) – POP-Brasil. Realizado pelo Hospital Moinhos de Vento, de Porto Alegre, em parceria com o Ministério da Saúde, o estudo mostrou que o HPV de alto risco para o desenvolvimento de câncer presente em 35,2% dos participantes da pesquisa. A prevalência de HPV geral na população feminina foi de 54,6% e na masculina, de 51,8%.

Tratamento TB/HIV

Em junho, foi publicada a Nota Informativa com recomendações para tratamento da infecção latente por tuberculose (ILTB) em Pessoas Vivendo com HIV (PVHIV). A tuberculose é uma das principais causas de óbito em pessoas vivendo com HIV.

AIDS2018

Com o tema “Quebrando barreiras, construindo pontes” foi realizada em julho, em Amsterdã (Holanda), a 22ª Conferência Internacional de Aids (AIDS 2018).  Com uma das participações mais expressivas, o Ministério da Saúde esteve presente em nove sessões e 12 trabalhos científicos que focaram na produção científica nacional e na avaliação das políticas públicas de saúde voltadas para a prevenção e controle do HIV/aids no país. Destaque para os trabalhos de farmacovigilância sobre uso do dolutegravir (DTG) realizado com mais de 100 mil pacientes, que demonstrou maior efetividade deste medicamento para o tratamento do HIV quando comparado a outros antirretrovirais. Dos pacientes que iniciaram o tratamento em 2018 no Brasil, 87% usam o dolutegravir.

HTLV

Em agosto foi realizado o 14º Simpósio Internacional sobre HTLV no Brasil, na cidade de Belém, no Pará. O evento contou com o apoio e a participação do departamento. Ainda na temática do HTLV, em dezembro, o DIAHV realizou reunião para instituir comissão assessora para o manejo do HTLV, em que foi discutida a possibilidade de criação de um Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para o agravo.

Zero Discriminação

Em outubro, o DIAHV e o Programa Conjunto das Nações Unidas para HIV/AIDS (UNAIDS) e realizaram oSeminário Zero Discriminação nos Serviços de Saúde, que propôs, em conjunto com sociedade civil, diretrizes e padrões para eliminar o estigma e a discriminação dos serviços de saúde.

Dia Mundial Aids

O Brasil registrou queda de 16% nos casos e óbitos de aids no país, segundo oBoletim Epidemiológico HIV/Aids 2018, divulgado no final de novembro. Ampliação do acesso à testagem e redução do tempo entre o diagnóstico de aids e o início do tratamento foram apontadas como razões para a queda. Na ocasião, também foram lançados dados doRelatório de Monitoramento Clínico do HIV.  Em 2017, estimava-se 866 mil pessoas vivendo com HIV no Brasil, desse total 84% (731 mil) já estavam diagnosticadas; 75% (548 mil) estavam em tratamento e 92% (503 mil) atingiram a carga viral indetectável. 

A campanha publicitária de 2018 para o Dia Mundial celebrou as conquistas dos 30 anos de instituição do Dia Mundial de Luta contra a Aids. No gramado da Esplanada dos Ministérios, em Brasília, foram expostas 2.600 colchas de retalhos (Quilts) com mensagens de apoio à luta contra a aids, enviadas por pessoas de diversas partes do Brasil. Ainda em novembro, foi lançada a campanha Indetectável, que teve como protagonistas 13 pessoas que vivem com HIV levando mensagem sobre a importância do tratamento. As personagens contam em suas histórias como receberam o diagnóstico, a luta pela aceitação e as dificuldades para aderirem ao tratamento.

PCDT IST

Em dezembro, a edição atualizada do Protocolo Clínico e Diretrizes Terapêuticas para Atenção Integral às Pessoas com Infecções Sexualmente Transmissíveis (PCDT-IST) foi publicada, contemplando a abordagem à pessoa com vida sexual ativa. A sífilis continua sendo o agravo de maior destaque na atualização do PCDT-IST. Para o tratamento das verrugas genitais foi incorporado a podofilotoxina e o imiquimode creme.

Departamento de Vigilância, Prevenção e Controle das IST, do HIV/Aids e das Hepatites Virais
Conheça também a página do DIAHV no Facebook:
https://www.facebook.com/ISTAidsHV

 

Fonte: http://www.aids.gov.br/pt-br/noticias/queda-de-mortes-por-aids-uma-das-conquistas-de-2018