Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação permanente, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Sexta, 22 Fevereiro 2019 13:49

Hanseníase é tema de curso do Ministério da Saúde

Avalie este item
(0 votos)

 A capacitação tem como objetivo preparar profissionais de saúde para atuarem no controle da transmissão da hanseníase e diminuir as incapacidades causadas pela doença.

No mês em que é celebrado o Dia Mundial de Luta Contra à Hanseníase, com Mobilização Nacional a ser iniciada em 31 de janeiro, o Ministério da Saúde, por meio da Fiocruz Brasília, da Secretaria Executiva da UNA-SUS e Secretaria de Vigilância à Saúde (SVS/MS), lança nova oferta o curso online Hanseníase na Atenção Básica, com ciclo de matrículas iniciado em 07 de janeiro e disponível até 28 de junho de 2019.

Alunos desta 9ª turma poderão finalizar o curso até 4 de agosto de 2019. A capacitação tem como objetivo preparar profissionais de saúde para atuarem no controle da transmissão da hanseníase e diminuir as incapacidades causadas pela doença. O público-alvo são os profissionais da saúde de todo país, especialmente os que atuam na Atenção Básica, contudo, o curso é livre para demais interessados.

Para saber mais e se matricular, acesse o link https://www.unasus.gov.br/cursos/curso/45292. O início é imediato e, como em todas as ofertas da UNA-SUS, é totalmente gratuito.

Produzida pela SE/UNA-SUS, a formação possui carga horária de 45 horas, certificação emitida pela Escola Fiocruz de Governo e é dividida em três unidades: Vigilância, Diagnóstico e Acompanhamento da Hanseníase na Atenção Básica. Os casos clínicos são transversais, abrangendo e integrando os aspectos de controle da doença.

Lançado em outubro de 2014, com oito turmas já ofertadas, o curso teve mais de 100,7 mil matrículas. Entre os perfis profissionais que mais buscam a capacitação 32,68% são enfermeiros; 31% são técnicos de enfermagem e 8,95%, médicos. A maioria dos inscritos atua em Centros e Unidades Básicas de Saúde (48,86%); Hospitais Gerais (21,48%); Posto de Saúde (5,08%) e Secretarias de Saúde (3,81%). Os estados com maior número de matrículas são: São Paulo (9.387); Ceará (7.689); Minas Gerais (7.572); e Bahia (6.367).

O curso é dinâmico e utiliza metodologia diversificada. Além dos casos clínicos, que simulam situações comuns no cotidiano das unidades de saúde, são oferecidas vídeo-aulas com explicações de especialistas e vídeos de apoio com dramatizações que tratam do tema. São também utilizados hipertextos, caixas de ajuda e glossário para que se possa aprofundar os conhecimentos de termos técnicos.

LUTA CONTRA HANSENÍASE

O Ministério da Saúde promove anualmente a Campanha do Dia Mundial de Luta Contra a Hanseníase junto aos estados, municípios, instituições parceiras, movimentos sociais e sociedade civil. Esta ação tem como objetivo alertar sobre os sinais e sintomas da doença, estimular a procura pelos serviços de saúde em caso de suspeita, mobilizar a busca ativa de casos novos e o exame dos contatos pelos profissionais de saúde, favorecendo assim o diagnóstico precoce, tratamento oportuno, prevenção de incapacidades, bem como o enfrentamento do estigma e discriminação.

Para o ano de 2019, com o slogan: Hanseníase. Identificou.Tratou.Curou, a Campanha objetiva alcançar toda a população, bem como, profissionais de saúde. Ressalta-se que, excepcionalmente, para este ano será veiculado a mesma arte gráfica e slogan elaborados para a Campanha realizada em 2018.

Nesse contexto, as áreas da Secretaria de Vigilância em Saúde (Coordenação-Geral de Hanseníase e Doenças em Eliminação), da Secretaria de Atenção à Saúde (Coordenação-Geral de Gestão da Atenção Básica) e da Secretaria Executiva da UNA-SUS unem esforços voltados à mobilização dos profissionais de saúde para a realização da capacitação à distância por meio do curso EAD, bem como para a adesão às ações propostas pela Campanha, contribuindo assim para o avanço na redução da carga da doença no país.

A HANSENÍASE

A Hanseníase é uma doença crônica, transmissível, de notificação compulsória, que possui como agente etiológico o Mycobacterium leprae. Atinge principalmente a pele e nervos periféricos, podendo apresentar surtos reacionais intercorrentes, o que lhe confere alto poder de causar incapacidades e deformidades físicas, principais responsáveis pelo estigma e preconceito que permeiam a doença.

A transmissão se dá pelas vias áreas superiores (tosse ou espirro), de uma pessoa doente sem tratamento, para outra, após um período de contato prolongado e contínuo. Portanto, é prioridade o exame de familiares, amigos e colegas de trabalhos, que convivem ou conviveram por um tempo prologando com o caso de hanseníase antes do início do tratamento, como forma de diagnosticar precocemente, prevenir as incapacidades físicas e interromper a cadeia de transmissão da doença.

A hanseníase tem cura e seu tratamento é gratuitamente ofertado pelo SUS, disponível em unidades públicas de saúde de todo o país. É feito por via oral, com a Poliquimioterapia (PQT), uma associação de antimicrobianos. Os medicamentos são seguros e eficazes. O paciente deve tomar a primeira dose mensal supervisionada pelo profissional de saúde e as demais, autoadministradas. Ainda no início do tratamento, a doença deixa de ser transmitida.

Além da realização do exame dermatoneurológico e avaliação neurológica simplificada, o paciente deve ser também orientado quanto às práticas simples do autocuidado com olhos, mãos e pés, que podem ser realizadas regularmente no seu domicílio e/ou em outros ambientes. O autocuidado melhora a qualidade de vida e autoestima da pessoa com hanseníase.

SITUAÇÃO EPIDEMIOLÓGICA DA DOENÇA

A doença exibe distribuição heterogênea no país, com registro de casos novos em todas as Unidades Federadas, com maior concentração de casos nas Regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste.

O Boletim Epidemiológico Mundial, publicado em agosto de 2018 pela Organização Mundial da Saúde (OMS), informa que 150 países e territórios reportaram casos da hanseníase em 2017. Do total de 210.671 casos novos informados, o Brasil ocupou a segunda posição com 26.875 (12,7%) e a Índia a primeira, com 126.164 (59,9%) casos novos da doença.

Em 2017, 2.933 municípios diagnosticaram casos novos de hanseníase no Brasil. Desses, 630 municípios diagnosticaram casos em menores de 15 anos, sinalizando focos de infecção ativos e transmissão recente. O país registrou 26.875 casos novos da doença, com taxa de detecção de 12,94 por 100.000 habitantes (alta edemicidade). Do total de casos novos registrados, 1.718 (6,4%) foram diagnosticados em menores de 15 anos.

Em 2017, do total de 23.415 (87%) casos novos que foram avaliados quanto ao grau de incapacidade física no momento do diagnóstico, 8.461 (36,1%) apresentaram alguma incapacidade física, sendo 6.512 com grau 1 e 1.949 com grau 2 (deformidades visíveis).

Como resultado da intensificação de ações voltadas para o controle da transmissão da doença, entre 2008 e 2017, a taxa de detecção reduziu cerca de 37%, o que corresponde a redução de 39.047 para 26.875 casos novos nesse período.

Ministério da Saúde, com informações da SE/UNA-SUS

Fonte: http://www.blog.saude.gov.br/index.php/cursos-e-eventos/53750-hanseniase-e-tema-de-curso-do-ministerio-da-saude