Portal do Governo Brasileiro

O que é o TELELAB?

O TELELAB é um programa de educação permanente, do Ministério da Saúde, que disponibiliza CURSOS GRATUITOS, cujo público alvo são os profissionais da área de Saúde.

Certificação

Nossos cursos são certificados pela Universidade Federal de Santa Catarina. Clique aqui para saber mais sobre o processo de certificação.

Área do Aluno

Quarta, 13 Março 2019 15:35

SUS cuida da mulher em todas as fases da vida

Avalie este item
(0 votos)

No Dia Internacional da Mulher, o Ministério da Saúde reforça que o Sistema Único de Saúde está presente em todos os ciclos de vida da mulher, da atenção básica de saúde à especializada

Neste mês de março, quando comemora-se o Dia Internacional da Mulher, o Ministério da Saúde reforça a todas as mulheres que o Sistema Único de Saúde (SUS) oferece atendimento integral, desde a infância até a fase adulta, nas mais de 42 mil Unidades Básicas de Saúde (UBS) e nos serviços especializados, disponíveis em todas as regiões do país. No âmbito da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher, a pasta juntamente com estados e municípios tem trabalhado as políticas públicas prioritárias de fortalecimento da saúde sexual e reprodutiva; atenção obstétrica; atenção às mulheres em situação de violência; atenção oncológica; atenção ginecológica e climatério; e populações específicas e vulnerabilizadas.

A partir da Política Nacional de Atenção Integral à Saúde da Mulher são ofertadas ações educativas a vacinas; do planejamento reprodutivo a disponibilização dos métodos contraceptivos; do pré-natal, parto ao puerpério; do incentivo a hábitos saudáveis aos exames preventivos; dos cuidados da saúde da adolescente aos cuidados à saúde da mulher idosa.

Muitos dos atendimentos começam logo no nascimento da mulher e prosseguem a partir da imunização. O SUS, por meio do Programa Nacional de Imunização, oferta gratuitamente todas as vacinas recomendadas pela Organização Mundial da Saúde (OMS). O Calendário Nacional de Vacinação contempla não só as crianças, mas também adolescentes, adultos, idosos, gestantes e povos indígenas. Ao todo, são 19 vacinas para mais de 20 doenças, cuja proteção inicia ainda nos recém-nascidos, podendo se estender por toda a vida. São vacinas contra doenças, como o câncer de colo de útero (HPV) para adolescentes e a DTPA para gestantes.

Há ainda os Centros de Referência de Imunobiológicos Especiais (CRIEs), que disponibilizam vacinas às pessoas com condições especiais em saúde, como as que vivem com HIV/AIDS, pacientes oncológicos e transplantados. 

A maior parte dos atendimentos, na rede pública, iniciam na Atenção Básica, nas Unidades Básicas de Saúde (UBS). Na consulta, se necessário, o médico solicita exames laboratoriais e de imagem, que também são ofertados pelo SUS. NApós avaliação médica dos resultados, a paciente pode ou não ser encaminhada para atendimento especializado na rede pública. Os encaminhamentos também podem ser medicamentosos e voltados à promoção da saúde, com orientações de reeducação alimentar, incentivo à prática de atividades físicas, por meio dos 1.335 polos da Academia da Saúde, direcionamento para uma das 29 Práticas Integrativas e Complementares (PICs) ofertadas no SUS, entre outros.

Acesse nossa página temática especializada em vacinação

PROMOÇÃO À SAÚDE E PREVENÇÃO 

O cuidado com a promoção à saúde em todas as fases da vida é essencial na prevenção das Doenças Crônicas Não Transmissiíveis (DCNTS), como diabetes, hipertensão e obesidade. Segundo estudo Vigitel de 2017, 26,4% das mulheres nas 27 capitais brasileiras apresentam hipertensão na fase adulta e 8,1% das mulheres apresentam diabetes. Já de acordo com o levantamento Saúde Brasil 2018, do Ministério da Saúde, entre 2010 e 2016, caiu 11% o índice de óbitos por Acidente Vascular Cerebral e 6,2% por doenças cardíacas, nas mulheres entre 30 e 69 anos. Contudo, apesar da queda, as duas doenças continuam sendo as que mais matam a população feminina nesta mesma faixa etária.

A ocorrência das doenças crônicas não transmissíveis é muito influenciada pelos estilos e condições de vida.O tabagismo é um dos principais fatores de risco dessas doenças. De acordo com dados do Vigitel 2017, esse público representa 7,5% da população. As mulheres que querem parar de fumar podem obter gratuitamente, no SUS, medicamentos como adesivos, pastilhas, gomas de mascar (terapia de reposição de nicotina) e bupropiona. A população interessada deve procurar centros/postos de saúde ou a Secretaria de Saúde do município para informações sobre locais e horários de tratamento. Para outras informações, ainda é possível entrar em contato com o Disque Saúde 136.

O serviço de saúde público também acolhe mulheres vítimas de violência, sejam elas crianças, adolescentes, adultas ou idosas. Nestes casos, elas devem procurar o SUS para receber atendimento humanizado e encaminhamento adequado nas unidades de saúde. Nesses espaços, as mulheres têm acesso a profilaxia pós-exposição, a pílula do dia seguinte e a orientações, em caso de gestação indesejada. O atendimento acontece sem exigência do boletim de ocorrência.

PRÉ-NATAL

Em relação à mulher gestante, o Sistema Único de Saúde disponibiliza atendimento pré-natal e parto nas unidades básicas de saúde e hospitais. Em 2018, foram realizadas 9,51 milhões de consultas de pré-natal (dados preliminares). Essas consultas são de fundamental importância para a manutenção da saúde da mulher no pré-parto, parto e pós-parto.

Um resultado desse atendimento é que, desde 2010, o número de cesarianas na rede pública e privada não cresceu no país. Esse tipo de procedimento, que apresentava uma curva ascendente, caiu 1,5 pontos percentuais em 2015. Dos 3 milhões de partos realizados no Brasil, 55,5% foram cesáreas e 44,5% partos normais. Considerando apenas partos no Sistema Único de Saúde (SUS), a situação se inverte e o número de partos normais é maior, sendo 59,8% e 40,2% de cesarianas. Em 2016, a tendência de estabilização se mantém com o mesmo índice de 55,5% (dado preliminar).

A Rede Cegonha, que fortalece o parto humanizado está implantada em 1.600 maternidades (públicas ou conveniadas) no SUS. Além disso, existem no país 28 Centros de Parto Normal e 17 Casas da Gestante, Bebê e Puérpera, com investimentos para melhoria da ambiência das maternidades para adequação do local de parto humanizado. 

Já para o fortalecimento dos direitos sexuais e reprodutivos das mulheres, o Ministério da Saúde financia oito métodos contraceptivos: preservativo feminino e masculino, pílula combinada, anticoncepcional injetável (mensal e trimestral), diafragma, anticoncepção de emergência (pílula do dia seguinte), minipílula e DIU de cobre. São métodos seguros e reversíveis e disponíveis nas UBS.

ATENÇÃO INTEGRAL À MULHER IDOSA

Nas Unidades Básicas de Saúde, toda mulher idosa tem direito ao acesso e à avaliação integral da sua saúde, com atendimento multiprofissional e olhar multidimensional (clínico, psicossocial e funcional) para elaboração do seu plano de cuidado. Para isso, o Ministério da Saúde tem orientado os gestores locais a implementar a Linha de Cuidado para Atenção Integral à saúde da pessoa Idosa. O objetivo é promover a saúde e a prevenção de doenças e agravos, proporcionando a esse grupo um envelhecimento com saúde e qualidade de vida.

Uma importante ferramenta para esse acompanhamento é a Caderneta de Saúde da Pessoa Idosa. Atualmente, 2.672 municípios já aderiram a oferta da caderneta. Em 2018, mais 3 milhões de unidades foram entregues. Também há investimentos na capacitação dos profissionais que atendem diretamente essa população no SUS.  Entre 2016 e 2019, 39.384 profissionais das equipes de saúde devem ser capacitados. A pasta também disponibiliza o aplicativo 'Saúde da Pessoa Idosa', desenvolvido em parceria com a FIOCRUZ /BsB. Esse app reúne três ferramentas para ajudar na avaliação dos idosos identificando os mais vulneráveis.

Ainda na Atenção Básica também é possível ter acesso a testes rápidos para Infecções Sexualmente Transmissíveis (ISTs), como sífilis, HIV/AIDS e hepatite C, além de orientações sobre sexualidade.

Acesse nossa página temática especializada em Saúde da Pessoa Idosa

Por Regina Xeyla e Carolina Valadares, da Agência Saúde
Atendimento à imprensa
(61) 3315-3580 / 3988

Fonte: http://portalms.saude.gov.br/noticias/agencia-saude/45286-sus-cuida-da-mulher-em-todas-as-fases-da-vida